De que está à procura ?

suica
Lisboa
Porto
Berna, Suiça
Desporto

Benfica renova passaporte europeu

O Benfica garantiu um lugar na Liga Europa em futebol, ao vencer os russos do Zenit de São Petersbugo por 3-0, em jogo da sexta e última jornada do grupo G da Liga dos Campeões.

Com a ‘champions’ fora de horizonte, o Benfica sabia que só a vitória interessava para se manter nas competições europeias e, para não depender de terceiros, teria de vencer por 2-0 ou sempre por uma diferença de três golos.

Depois do nulo na etapa inicial, os ‘encarnados’ entraram em força na segunda metade, com o golo de Cervi, aos 47, ampliaram aos 58, por Pizzi, na conversão de uma grande penalidade, e chegaram ao terceiro aos 79, num autogolo de Azmoun.

A assistência nas bancadas, com várias clareiras no estádio – estiveram presentes 40.232 espetadores -, era um indicador claro da falta de confiança dos adeptos ‘encarnados’ no apuramento para a Liga Europa.

A esperança do treinador Bruno Lage caiu no mesmo ‘onze’ inicial que venceu o Boavista na 13.ª jornada da I Liga (4-1), só que do outro lado estava o líder do campeonato russo. Uma equipa com outros argumentos, pelo que restava saber como é que o 4-4-2 do Benfica iria explorar o 3-5-2 do Zenit.

Taarabt, aos três minutos, deu o primeiro sinal de perigo, com um remate de fora da área. Mas os russos, que entraram com o bloco baixo, apostavam no ataque rápido como forma a tentar surpreender os ‘encarnados’, que tinham de arriscar tudo para chegar ao golo.

Apesar do domínio de jogo por parte do Benfica, que continua a sentir fortes dificuldades a sair para o ataque a partir da defesa, este não foi materializado em golos e a igualdade ao intervalo foi o espelho disso mesmo.

A abrir a segunda parte, ainda mal o Zenit se tinha posicionado, Cervi, aos 47 minutos, inaugurou o marcador, numa jogada iniciada por Gabriel, com transição de Vinicius para Pizzi, que serviu o argentino.

Os comandados de Sergei Semak acusaram fortemente o golo. Não conseguiram controlar a bola e, aos 56 minutos, ainda se viram reduzidos a 10 elementos com a expulsão de Douglas Santos, ao cortar a bola com o braço dentro da sua grande área, sendo expulso por acumulação de cartões amarelos. Pizzi não perdoou e, aos 58, converteu a grande penalidade.

O Benfica tornou-se dono e senhor do jogo. O Zenit ainda procurou chegar ao golo que pudesse pelo menos amenizar a sua prestação europeia – baixava de um hipotético apuramento para os ‘oitavos’ da ‘champions’ para os 16 avos da Liga Europa -, dependendo ainda do outro jogo, entre Lyon e Leipzig.

Vlachodimos ainda defendeu o remate de Azmoun, aos 78 minutos. No ataque seguinte, Vinicius, sozinho em frente ao guarda-redes Kerzhakov, permitiu a defesa para canto e, na cobrança feita por Cervi, Azmoun, depois do corte falhado de Smolnikov, colocou a bola na própria baliza (79).

A respirar de alívio, Bruno Lage colocou em campo Samaris e Seferovic, para os lugares de Gabriel e Cervi, respetivamente. Mais tarde, Caio Lucas entrou para substituir Vinicius.

Ao Zenit tudo corria mal. Em França, o Lyon empatava, aos 82 minutos (2-2), e, com este resultado, os russos passaram a ficar fora, não só da ‘champions’, como também de um lugar de acesso à Liga Europa.

Na ponta final, o Zenit subiu o bloco, tudo fez para chegar ao golo que o colocaria na Liga Europa, mas acabou por não causar prejuízo ao Benfica.