De que está à procura ?

suica
Lisboa
Porto
Berna, Suiça
Comunidades

Lille: lusodescendente quer vender churrasco português em elétrico lisboeta

O lusodescendente Christophe Paredes vai inaugurar, em meados de abril, na cidade francesa de Lille, um ‘food truck’ com a forma de um elétrico lisboeta, no qual vai vender churrascos à moda portuguesa.

O ‘Eletrico Lisbon Urban Food’ pretende ser o primeiro restaurante sobre rodas de especialidades portuguesas na brasa, em Lille, com “tudo o que é entrecosto, frango, o clássico chouriço e a picanha”, e, de vez em quando, por exemplo, “um bacalhau assado”, contou à Lusa o jovem de 30 anos.

“Sonho, há vários anos, em abrir um restaurante conceptual português, para fazer descobrir o nosso património gastronómico. Nos últimos anos, vários conceitos de restauração de cozinhas do mundo foram desenvolvidos em França, mas não há um de comida portuguesa e, muito menos, num camião de comida”, explicou.

No ‘food truck’, que também pretende ser um cruzamento entre churrascaria e mercearia fina, vai haver bifanas, batatas a murro, “arroz à portuguesa”, bolinhos de bacalhau, alheira, pastéis de nata, sumos e cervejas portuguesas e “outras iguarias surpresa”.

Para concluir o projeto, e como lhe “faltava um bocadinho de finanças”, Christophe Paredes criou uma campanha de ‘crowdfunding” na Internet, que decorre até 18 de março.

Quem contribuir, com ajudas que vão dos 10 até acima dos 600 euros, poderá receber brindes com o símbolo do elétrico, pastéis de nata, frangos de churrasco, maquetes do ‘food truck’, uma jantarada para 10 ou 20 pessoas, uma inscrição num sorteio para uma viagem a Lisboa e um livro de receitas portuguesas.

A campanha já alcançou o primeiro objetivo de 3.500 euros, para financiar a decoração da carrinha em ‘trompe l’oeil’ a imitar o famoso elétrico 28, numa alusão à carreira preferida pelos turistas que visitam Lisboa, e o próximo passo é chegar aos 5.000 euros para também adquirir um grupo eletrogéneo insonorizado.

Se o patamar dos 5.000 euros for alcançado antes de 18 de março, Christophe Paredes vai oferecer uma refeição a todos os que ajudaram.

O lusodescendente, que nasceu na região de Paris e que tem raízes na aldeia de Carro Queimado, no concelho de Vila Real, quer revelar uma cozinha portuguesa “aberta ao mundo” e herdeira das viagens dos Descobrimentos porque considera que os franceses pensam que os portugueses só comem bacalhau de manhã à noite.

“Quero quebrar os estereótipos sobre a nossa cozinha. Nós não comemos só bacalhau em Portugal, temos muitos tesouros para fazer descobrir: o churrasco, por exemplo. A nossa cozinha é uma culinária de fusão, inspirada nas descobertas marítimas. Ela trabalha sabores fortes com técnicas genuínas de cozedura como a brasa. A nossa cozinha é generosa e amigável, então eu quero compartilhá-la”, continuou.

Christophe Paredes aprendeu a cozinhar os pratos tradicionais portugueses com a mãe, ajudou a preparar as refeições de natal em casa e quando recebia amigos “em vez do ‘cassoulet’ [feijoada francesa], fazia uma feijoada à portuguesa” ou “hambúrgueres com bolo de caco, ou seja, com pão feito de batata doce”.

O jovem decidiu dedicar-se completamente ao seu “sonho” em 2016, o que o levou a deixar o seu trabalho de gerente de vendas, a pegar “na mochila” e a viajar até Portugal à procura de “receitas autênticas”, inspiração e conhecimento na “arte do churrasco”.

Primeiro, trabalhou na Churrascaria Royal, em Vila Real, depois foi para a churrascaria Galinha, em Lille, e foi apurando as técnicas da brasa ao longo de “15 toneladas de carne grelhada” entre 2016 e 2017.

O seu ‘elétrico’ vai estar em apresentação no salão Sandwich Show, em Paris, a 04 e 05 de abril, e Christophe Paredes vai animar uma conferência sobre como abrir um negócio e aproveitar para “promover a cozinha portuguesa popular e ‘gourmet’”.

Depois, o ‘Elétrico Lisbon Urban Food’ ruma a Lille, onde pretende ser o primeiro passo para “a criação de uma cadeia de restauração de especialidades portuguesas na brasa até 2022”.