De que está à procura ?

suica
Lisboa
Porto
Berna, Suiça
Comunidades

Vírus não abala confiança dos empresários portugueses em Moçambique

A embaixadora de Portugal em Moçambique, Maria Amélia Paiva, disse esta sexta-feira que as empresas portuguesas querem continuar no país africano, apesar do impacto da covid-19, para serem parte do processo de desenvolvimento social e económico.

“Os [empresários] que estão e os que têm estado ​[em Moçambique] ​​​​​​têm mostrado disponibilidade para continuar”, sublinhou Maria Amélia Paiva.

A diplomata falava aos jornalistas após um encontro com a presidente da Assembleia da República, Esperança Bias, por ocasião do fim da sua missão em Moçambique.

Os empresários portugueses com atividade em Moçambique têm sido capazes de se reinventar e ser resilientes, num contexto de enormes desafios impostos pela pandemia, considerou.

“Há claramente uma aposta para trabalhar em Moçambique e para continuar depois de se resolverem estas questões da covid-19”, enfatizou.

Maria Amélia Paiva avançou que os homens de negócios portugueses estão otimistas em relação ao relançamento de áreas como a construção civil, tecnologias de informação e comunicação, serviços e energias renováveis, no pós-pandemia.

A diplomata portuguesa disse ainda ter garantido à presidente do parlamento moçambicano o compromisso de Portugal no aprofundamento das relações de cooperação bilateral nos mais diversos domínios.

A cooperação entre os dois países, continuou, também se traduz em laços de solidariedade nos momentos mais difíceis, como está a acontecer com a ajuda de Portugal a Moçambique no âmbito do combate ao novo coronavírus.

Nesse sentido, as autoridades portuguesas fizeram chegar a Moçambique apoio material para a luta contra a covid-19 e acionaram uma linha de seis milhões de euros para o apoio a micro, pequenas e médias empresas visando enfrentar a atual conjuntura provocada pelo novo coronavírus.

Moçambique registou só em janeiro mais casos, internamentos e mortes por covid-19 do que em todo o ano de 2020.

O país tem um total acumulado de 53.527 casos, 571 mortes e 273 internados.