De que está à procura ?

suica
Lisboa
Porto
Berna, Suiça
Desporto

Suíça com pé nos oitavos, Brasil sofre e Nigéria ressuscita Argentina

A Suíça colocou, esta sexta-feira, um ‘pé’ nos oitavos de final do Mundial2018 de futebol, ao vencer a Sérvia, o Brasil sofreu para bater a Costa Rica e a Nigéria ‘ressuscitou’ a Argentina, ao derrotar a Islândia.

A seleção helvética, que só perdeu um jogo (em Portugal, na fase de qualificação) dos últimos 19, foi a primeira equipa deste campeonato do mundo a dar a volta a um resultado negativo, depois de ter chegado ao intervalo a perder por 1-0 para a Sérvia, ao 26.º jogo.

O jogo entre suíços e sérvios, da segunda jornada do Grupo E, em Kaliningrado, foi um dos melhores do campeonato pelo facto de ambas terem querido conquistar os três pontos e não gerir a partida de forma cautelosa, cínica ou calculista.

Um exemplo disso foi a circunstância da Suíça ter chegado ao golo ao minuto 90, por Shaqiri, num lance de contra-ataque bem desenhado que apanhou a Sérvia em contra-pé, com a sua defesa em desequilíbrio, depois de um ataque organizado em que os sérvios procuravam afincadamente chegar ao 2-1.

A Sérvia surpreendeu a Suíça na primeira parte com uma entrada forte, que frutificou logo aos cinco minutos com o golo de Mitrovic, e embalou a equipa para uma boa exibição e para largos períodos em que esteve claramente ‘por cima’ do jogo.

Na segunda parte foi a Suíça a ‘pegar nas rédeas’ do jogo, igualou aos 52 minutos, por Xhaka, e o empate persistiu até ao final com as duas equipas a procurarem chegar à vitória, que sorriu à Suíça num lance de contra-ataque ao minuto 90.

Quem se estreou a vencer no mesmo grupo foi o Brasil, depois do empate inaugural a um golo com a Suíça, mas marcou os seus dois golos somente nos descontos, numa vitória tão justa quanto sofrida que afastou do Mundial2018 a Costa Rica.

Os costa-riquenhos estiveram a escassos minutos de impor um ‘nulo’ ao Brasil, sustendo a ‘avalanche’ ofensiva dos brasileiros com rigor defensivo, espírito de entreajuda e de sacrifício, e com um ‘gigante’ na baliza chamado Keylor Navas, guarda-redes do Real Madrid.

Só ‘caíram’ já no período de compensações, quando Philippe Coutinho abriu o marcador, aos 90+1 minutos, e Neymar se estreou a marcar neste Mundial, aos 90+7.

Os ‘canarinhos’ justificaram o triunfo pela grande segunda parte que fizeram, mas a Costa Rica, como antes o Peru ou Marrocos, também eles já eliminados, pode orgulhar-se do que fez, mesmo sabendo que o terceiro jogo será a ‘feijões’ e não evitará o adeus.

Com o triunfo de hoje, basta à Suíça um empate no derradeiro jogo do grupo E com a Costa Rica para assegurar o apuramento para os oitavos de final, enquanto a Sérvia terá de vencer o Brasil para seguir em frente na competição.

No grupo D, a Nigéria impôs-se à Islândia por 2-0 e forneceu um ‘balão de oxigénio’ a uma Argentina deprimida, enredada nos equívocos táticos do seu selecionador, sob ‘fogo intenso’ de todos os quadrantes, desde os ‘media’ à opinião pública, e em risco de ser eliminada na fase de grupos.

Dois golos de Musa, que já em 2014 tinha ‘bisado’ face à Argentina, tornando-se o primeiro nigeriano a marcar em dois Mundiais diferentes, valeram hoje à Nigéria a vitória frente à Islândia (2-0), em Volgogrado, e a subida ao segundo lugar do Grupo D, depois da derrota na estreia frente à seleção croata.

Esta foi a sexta vitória em fases finais de campeonatos do mundo, todas elas frente a seleções europeias, da Nigéria, que soma três pontos, a anteceder a última ronda, na qual defronta a Argentina, última, com um, enquanto a já apurada Croácia, líder, com seis, defronta os islandeses, terceiros, com um.

Em caso de vitória da Islândia por um golo sobre a já apurada Croácia, a Argentina terá, para garantir o apuramento para os ‘oitavos’, de bater a seleção africana por, pelos menos dois golos de diferença.

A Islândia tem uma diferença negativa de dois golos entre marcados e sofridos (1-3) contra três da Argentina (1-4), e dispõe ainda de vantagem nos cartões, uma vez que ainda a nenhum jogador islandês foi mostrado qualquer amarelo, ao contrário dos argentinos, a quem já foram exibidos três.