De que está à procura ?

suica
Lisboa
Porto
Berna, Suiça
Europa

Rádios cristãs europeias encontram-se em Lisboa

O 25.º encontro da Conferência Europeia de Rádios Cristãs (CERC), este ano dedicado ao tema “O desafio digital para as nossas rádios”, começou esta quarya-feira em Lisboa, nas instalações do Grupo Renascença.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, Isabel Figueiredo, responsável pela coordenação de conteúdos da Rádio Renascença, “destaca a satisfação e o orgulho” que representa, quer para o Grupo Renascença quer para Portugal, receber esta iniciativa e poder “partilhar experiências” com colegas de diferentes países e contextos.

“É sempre um tempo de podermos passar o testemunho uns aos outros, do que é que vamos fazendo, como é que poderemos fazer melhor, e como é que poderemos através da rádio ter esta presença cristã nos países onde estamos”, realça a responsável.

Esta é a terceira vez que Portugal acolhe o encontro da CERC, com destaque para a presença de responsáveis de 7 rádios cristãs europeias, num total de 19 participantes.

Tratam-se das emissoras Proglas (República Checa), Cope (Espanha), Corallo (Itália), Lumen (Eslováquia), RCF (França), Szent István Rádió (Hungria) e ainda o Dicastério para a Comunicação (Vaticano), que engloba o projeto de rádio da Santa Sé.

Na base deste evento estará a reflexão sobre o desafio digital para as rádios cristãs, uma temática que esteve também em debate nas últimas Jornadas de Comunicação Social e Digital, promovidas pela Igreja Católica em Portugal.

“O tema escolhido é a própria atualidade que nos empurra para ele”,  salienta Isabel Figueiredo, que frisa “a enorme preocupação que a Rádio Renascença tem tido, em avançar nessa área, quer através de recentes aplicações quer também de todo o trabalho que vai sendo feito nos sites” de cada uma das quatro rádios do grupo: RR, Mega Hits, RFM e Rádio SIM.

Para a responsável pela coordenação de conteúdos da Rádio Renascença, apesar dos tempos serem diferentes, e de hoje termos “todo aquele aparato tecnológico nos estúdios”, “a alma da rádio” continua a estar “nas pessoas que fazem a rádio e nas que produzem os conteúdos, que dão voz, que dão informação, que procuram as notícias”.

“Também percebo, principalmente atendendo às camadas mais novas, que se hoje em dia a rádio não estiver também presente nas plataformas que eles utilizam todos os dias, seja para ouvir música, seja para ver notícias, seja para comunicar uns com os outros, perdemos claramente a nossa presença”, alerta Isabel Figueiredo.

Nesse sentido, é essencial que as rádios de hoje, e neste caso as emissoras católicas ou de inspiração cristã, tenham “pessoas suficientemente preparadas para conseguirem utilizar da melhor maneira os meios tecnológicos mais avançados”, complementa.

Aquela responsável sublinha, no entanto, que, apesar de muitas vezes se pensar que os meios digitais são eminentemente orientados para os mais novos, é preciso ter bem presente a participação do público mais velho, que é cada vez mais efetiva.

“Para surpresa de muitos de nós, na Rádio SIM, onde estarão as pessoas mais velhas, quer os animadores utilizam todas as aplicações, desde o instagram ao facebook, a tudo, quer depois temos uma resposta do lado do público. Portanto, é algo que cruza todas as gerações”, realça Isabel Figueiredo.

O 25.º encontro da Conferência Europeia de Rádios Cristãs começa esta quarta-feira à tarde com uma sessão de acolhimento com intervenções do presidente do Grupo Renascença Multimédia, o padre Américo Aguiar, e do presidente da CERC, Pavel Miksu.

O programa da iniciativa, que se vai prolongar até esta sexta-feira, inclui uma visita guiada às instalações da RR, um debate sobre “como chegar aos jovens no meio digital”, e a apresentação da experiência da Renascença, com uma intervenção de Nelson Pimenta, diretor digital do Grupo Renascença Multimédia.

Destaque ainda para uma conferência sobre a nova organização dos media da Santa Sé, trazida por Jean-Charles Potzolu, do Dicastério do Vaticano para a Comunicação, e no último dia para um encontro com o cardeal-patriarca de Lisboa, e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Manuel Clemente.