De que está à procura ?

suica
Lisboa
Porto
Berna, Suiça
Europa

Google aponta para a criação de 80 mil empregos no Luxemburgo até 2020

Thierry Geerts, director do Google para o Luxemburgo e Bélgica, declarou durante o evento Internet Days que a digitalização da economia pode criar 80 mil empregos no Luxemburgo até 2020.

Esta estimação deixou alguns profissionais do sector bastante perplexos.

É uma digitalização aberta e positiva que o diretor Google Luxemburgo e Bélgica defendeu na abertura do Internet Days, quando foi convidado para falar sobre o impacto da digitalização na sociedade e na economia.

Thierry Geerts baseia-se num estudo do Boston Consulting Group encomendado pelo Google.

Esse indica que um dos efeitos da digitalização se materializará pela criação de 80.000 a 120.000 empregos no Grão-Ducado até 2020.

O Luxemburgo faz parte, segundo os autores do relatório, de um grupo de nove países qualificado como “líderes digitais europeus”.

Aqui está a lista dos países envolvidos neste estudo:

Holanda – entre 660 000 e 920,000
Bélgica – entre 275.000 e 385.000
Suécia – entre 210.000 e 300.000
Dinamarca – entre 150.000 e 210.000
Irlanda – entre 130.000 e 190.000
Luxemburgo – 80.000 a 120.000
Finlândia – entre 80.000 e 105.000
Estónia – entre 40.000 e 60.000

Essas estimativas surpreenderam os especialistas em tecnologias da informação e comunicação (TIC) do Luxemburgo.

“Não temos conhecimento desses números nem temos outros estudos que tenham procurado quantificar a quantidade de empregos que a economia digital criaria”, disse Claude Demuth, diretor de asbl Lu-Cix, organizadora da Internet Days. “Mas a figura de 80 mil empregos parece exagerada para um país como o Luxemburgo”, salientou ainda.

Pascal Martino não está surpreso com essas estimativas, que considera mesmo realistas.

Líder digital da Deloitte Luxembourg, lembra que há 30 anos, quando o Luxemburgo decidiu posicionar-se em finanças, ninguém imaginava que este setor representaria tantos empregos hoje.

“Não deve ser uma estimativa, mas um objetivo”, disse ele ao Paperjam. “Se o Luxemburgo decidiu tornar-se um pioneiro na economia digital e tem os meios para atrair os grandes jogadores neste campo, a criação desses 80 mil empregos será uma consequência lógica”, defendeu ainda.